segunda-feira, 30 de junho de 2008

Jardim de Infância

Não sei se é cedo ou não para pensar nesta situação ou se o deva fazer já.
O Rabuja está numa creche que, como não podia deixar de ser, particular (pois a rede creches estatais ou IPSS's além de reduzida têm listas de espera enormes). Tem ainda mais um ano pela frente antes da passagem para o Jardim de Infância.
Ora bem, começo já a procurar? Inscreve-se já para garantir o lugar? Ao pé do meu trabalho há uma que penso ser IPSS e ser muito boa, o que resolvia várias questões, a financeira, a localização e a certeza do filhote estar bem entregue e cuidado. Mas também não sei se aceitam crianças que não residam na freguesia. Claro que a solução óbvia é ir até lá e obter informações a todas estas questões.
Por outro lado, gosto bastante da creche onde está. Muito melhor do que a outra. Mas vou tirá-lo de lá passado um ano? Agora que já se habitou? Estou mesmo muito indecisa sobre o que fazer, pois parecendo que ainda falta muito tempo, se tiver de "reservar", se calhar tem de ser agora...

E o resultado é...

nódoas na roupa que teimam em não sair, nem com dupla lavagem à máquina, produto para nódoas, etc...
Alguém me sabe dizer como tirar as nódoas da roupa do Rabuja sem ser cortar à volta com uma tesoura?
É que já não sei mais como fazer!!!

Birras preferidas, pois claro!!

Contar até um bilião!
Respirar fundo!
Dar a volta ao quarteirão e regressar a casa!
Mas porque será que o Rabuja insiste em tornar as refeições ao fim-de-semana numa guerra campal?
Eu sei k está calor e tem bebido bastante água. Sei que não tem a actividade que tem durante a semana na creche e dorme mais.
Mas passar um dia com 3 colheres de Nestum, meia dúzia de colheres de sopa ao almoço, um iogurte ao lanche acompanhadas de birras, faz-me passar da cabeça não pela birra, mas pela preocupação de não se alimentar o que acho que deve comer.
E depois, ao jantar, a sopa e a fruta foram indo com muita brincadeira, e infinita paciência...
Mas quando estamos a jantar, o bom do Pedro aproveita e come do nosso jantar e pede mais e mais, e se o tivesse dado na altura dele jantar, aposto que não o queria!!
Haja paciência!!

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Confissões

Sou mãe, como se diz na gíria dos foruns de bebés e pediatria, de 1ª viagem.
E estou adorar! E lamento não o ter sido há mais tempo, mais nova. E gostava de o ser novamente.E sou uma mamã como tantas outras. Não aspiro a ser a melhor mãe do mundo. Faço o que sei, o que o instinto me diz, o que vou aprendendo no que leio em blogs, foruns, conversando de vez em quando com outras mamãs.Às vezes, acho que não estou a fazer bem, que me escapa alguma coisa. Que devia de fazer de outro geito.E o que sinto ao olhar para ti?
Um amor imenso, infinito. Uma saudade enorme durante todo o dia. E depois quando te vou buscar, um sorriso ao ver-te e escutar dizeres: - mamã!
Mas não és um bebé fácil. Nunca foste. Há cerca de 20 meses que as noites são quase sempre um tormento e ando cansada. Não tens o sono trocado, mas não sei o que te faz acordar tantas vezes durante a noite e choramingares. O teu pai diz que já é vício. Será? Se é fome, entendo. Se for frio ou calor, também entendo. Mas quando não é nada, porque acordas e rabujas?Fazes-me perder a paciência às refeições. E durante a semana, ao jantar, quando já fiz tanta coisa ao longo do dia, é quando a sensibilidade anda mais fugida. E falo contigo num tom mais ríspido. E depois arrependo-me, porque és o meu bebé...Mas como se educa sem ter no tom de voz a autoridade que precisas de reconhecer? Poucas são aquelas em que comes tudo, direitinho e certinho. Sem birras, sem choros, sem espalhares comida por tudo quanto é lado. E lá vou andar a limpar o que foi limpo há 5 ou 10 minutos atrás...
E mexes em tudo. Em tudo o que não deves. Não deves porque te podes magoar. Sabes perfeitamente o significado do: -"Não mexe!". Tu próprio já o dizes muito bem e explicitamente. Então porque continuas a fazê-lo? Curiosidade? Tudo é novo? Também o fazes com um olhar e sorriso de desafio. Porque distingo muito bem esse teu arzinho de traquinas. És teimoso. Mesmo muito. E gostas de levar a tua avante. Mas às tantas, já não aguento repetir tanta vez a mesma coisa e tu sempre a querer mexer nas coisas. Porque sou humana, ralho contigo. Não gostas. Fazes beicinho...que me entra pelo coração e só me dá vontade de abraçar-te eternamente. E faço-o frequentemente. Abraço-te, digo para encostares na mamã, inclinas a cabecinha no meu ombro e ficas ao meu colo. Embalo-te um bocadinho, levemente, como uma brisa e ficamos assim uns minutos. Sinto a teu corpo encostadinho a mim, o calor, o teu cheirinho. Passo a mão no teu cabelo, e peço-te desculpa por todas as vezes que não posso estar assim contigo porque há tanta coisa a fazer em casa! E tu gostas tanto de colinho...
E peço-te desculpa baixinho por todas as vezes que queres colinho ou brincadeira e eu não consigo mais do que uns minutos...
Desespero quando estás doente. Sinto-me perdida. Com receio que se agrave. Com medo de não saber fazer o que é correcto para melhorares. Mas o instinto fala sempre mais alto e temos conseguido ultrapassar todas as constipações (porque felizmente têm sido apenas elas a chatear). Mas é aflitivo ver a tua aflição quando tosses, quando o pingo do teu narizito teima em ficar. E depois leva tanto tempo a passar...E fico passada quando te aproveitas disso às refeições. Porque já sabes ser manhoso, filhote!
À medida que vais aprendendo coisas novas, olho para ti embevecida. O meu príncipe está a crescer! Já sabe isto, já faz aquilo. Já dizes muitas palavras e ontem repetiste uma frase completa. Na tua linguagem. Fiquei maravilhada. Não por saberes o sentido, mas por não ser apenas uma palavra. Foi uma frase.
E adoro chamar-te de PP. E sabes que o PP és tu. O Pedro, o bebé mais lindo. O meu bebé.
Adoro qundo olhas para mim e dizes: - Dodói. Estás a pedir um beijinho da mamã no dodói. E fico encantada pelo miminho que pedes. E dou-to. Muitos, Sempre.
Às vezes quando olho para ti, quando vais a correr pela casa, tento o mais possível gravar na memória o teu andar de bebé, o teu jeitinho a correr, o ar que fazes quando ajudas, ou não ajudas. Não quero perder estas imagens tuas! E olho para ti e penso e sinto: ...o meu filho...e é um sentir indiscritível!
Lembrar-me sempre das posições em que dormes, como que a recordar quando estavas dentro da minha barriguinha, lembrar-me sempre do sorriso que fazes quando acordas bem disposto, do ar deliciado quando comes um doce, do teu dedito apontado para algum "bicho" que não é mais do que uma migalha no chão ou quando dizes: - "Já tá!" depois de teres comido, do teu choro quando te tenho de por soro no nariz, das gargalhadas que dás quando te fazemos cócegas, ou quando dizes: - "Mais!" por teres gostado tanto de uma brincadeira do papá!
Não sou mais nem menos do que as outras mamãs. Acho que mães perfeitas não existem. Mães que não ralham não existem. Mães que não perdem a paciência pelo cansaço ou chatices do dia a dia não existem.
Gostava de estar mais tempo contigo, filho, para acompanhar-te a crescer. Fico triste quando me dizem da creche que já fazes isto ou aquilo e eu não vi em primeira mão.
O tempo passa demasiado depressa.
Amo-te muito, muito, Pedro. És a minha vida e tudo farei para seres um menino muito feliz e saudável.
És a nossa estrelinha... e que os anjos te protejam eternamente, para todo o sempre!

Jantar de ontem...

foi um descalabro!
Tratei de fazer o dos papás enquanto o filhote andava de um lado para o outro, a mexer em tudo o que não deve (é impressionante a atracção que este miúdo tem pelas coisas de adultos!) e eu à espera que ele pedisse a "lacha", sinal que quer comer...pois sim...tava-se mesmo a ver o filme.
Fome devia ter mas a tosse, que algumas vezes é muito conveniente, não lhe fez apetecer o arroz com carninha. Ok, vamos passar à sopa que à partida é só engolir e tem massinhas que o Pedro adora!
Com muita calma, e com a chegada do papá a casa, a sopa foi toda. Menos mal. Passamos à fruta. Pêssego, que o filhote também gosta. Correu bem e comeu-a toda! Queres uma pêra, Pedro? - Pêa!
Começou a comê-la muito bem, na mãozita dele...A boa da tosse já tardava e vai de ter um ataque...Chão, roupa, babete...foi a fruta toda fora...Tou pelos cabelos com as constipações!
Queres uma bolacha? - "Lacha!"
E depois comeu muitas massinhas do jantar dos papás, sem tossir, nem deitar fora, com a colher e mão...
Enfim...

terça-feira, 24 de junho de 2008

Dormir? Isso é que era!!

Voltámos a estar constipados. Tou molenga e cheia de sono. Dormi com o filhote no sofá para lhe limpar o nariz e diminuir a tosse. Foi praticamente mais uma noite em claro. O Rabuja tem um sono agitado, mexe-se muito e com tosse é ainda pior. Já não sei o que fazer...Aliás, pouco há para além do soro. Vai ser mais uma semana de bradar aos céus.
Tou que nem posso!!!!

Blogues

Estes últimos dias tenho visto que anda no ar uma sensação de insegurança sobre os blogues. Uns são privatizados, outros contém códigos para evitar cópias de fotos e textos, outros continuam públicos.
Têm escrito, falado, comentado, questionado.
Também eu vou dizer o que penso.
Segurança, protecção, risco calculado ou partilha total.
Gosto de ler os blogues que visito. Gosto de sentir o amor de mãe e pai. Gosto de aprender a ser mãe. Gosto de ler as traquinices das crianças. Já ri e chorei com histórias de encantar e tristes.
Porque se tem um blog?
Pelos mais variados motivos e mais uns tantos que não me ocorre.
Eu, pessoalmente, após ter visitado uns quantos, também quis fazer um para o filhote. Para mim e para ele.
Inicialmente para ele ler, agora também para escrever sobre situações que parecem nada ter a haver com o Rabuja mas acabam por influenciar.
E gosto de reler o que escrevi, corrigir, actualizar.
E gosto que me leiam.
E isso traz ao de cima o que vejo nalguns blogs: quase todos os blogues foram feitos para os filhotes mais tarde lerem essas histórias. Uns são escritos de forma engraçada e com uma marca muito pessoal, outros são relatos e outros são assim como este, sem piada, modestos mas imensamente sinceros.
E a verdade é que não há ninguém que não goste que lhe leiam o blogue e deixem o seu comentário, miminho ou rabugice. Porque somos seres com sentimentos e uns dias estamos bem e outros não e uns dias os filhos estão bem e outros não. E nessas alturas, partilhar as alegrias e procurar um pouco de conforto nas tristezas, é também um dos objectivos de quem tem um blogue.
E fazer amizades.
Ora assim sendo, privatizar, para mim, faz pouco sentido.
Se quizessemos algo pessoal, escrevia-se um diário como se fazia nos tempos de adolescente (ainda lá tenho os meus...), num caderno ou usando as novas tecnologias, no PC em word.
Fotos? Gosto de ver o meu príncipe. Não é por seu meu filho, mas tem uma carinha muito larocas. Usei um código para protecção de cópias, mas sinceramente, acho que um fulano/a com geito para estas coisas acaba sempre por vencer o sistema.
Claro que há o mínimo de cuidado na escolha de fotos e relatos. Eu própria, agora alertada para esta situação, começo a ter mais sentido no que escrevo e nas fotos que escolho.
Mas não tenho receio de ursupação de palavras e imagens. Receio mais futuras idas a parques infantis, jardins e praias do que um blogue. Isto porque não vou passar o resto da minha vida a segurar a mãozinha do meu filho ou impedi-lo de andar no escorrega ou a brincar na areia...
Aí sim, a preocupação andará mais acentuada e os sentidos mais alerta...
Dia a dia, tenho de deixar o Pedro na creche cerca de 11 horas. Tenho de confiar em quem cuida dele e tranquilizar-me. É a vida e não posso fazer nada nem estar 24 horas em cima dele.
Sei que como tudo na vida, os blogues têm o mau e o bom.
Possivelmente, já todos/as tomámos consciência disso.
É mau encontrar mentiras...é bom conhecer amigos...
Eu...vou continuar aqui...

Alentejo

Correu bem, com muito calor e um excelente almoço de grelhados, a acompanhar com um vinho branco bem fresquinho!
A visita ao avô e bisavô serviu de passeio e para arejar as ideias...
Estavam para cima de 35º, mas o filhote portou-se sempre muito bem e até comeu qualquer coisita de jeito.
Claro que o avô Quim andava encantado e fazia-te as vontades todas, né??
Só não gosto quando te levam para perto do cão que além de ter o tamanho de um burro, de certeza que nem vacinas, nem desparazitado, nem banho, nem nada....para além de ser alimentado. Apesar de "respeitar" o teu avô, receio sempre os "devaneios" caninos pois não deixam de ser animais outrora selvagens e todos os hospedeiros que com ele andam, quero-os a 1.000 kms de distância de ti.
Tivemos de regressar antes da hora de ponta e dormiste o caminho todo (por acaso também acho que dormitei um pouquito).
Soube bem.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Desejamos a todos...


...um óptimo fim-de-semana!

Aproveitem este bom tempo.
Nóis 3 vamos até ao Alentejo visitar o avô e bisavô do Pedro este Domingo.

E agora?

Estava tudo a correr bem. A reorganização de há 2 meses estava a dar frutos.
Mais uma dificuldade. Para mim, já chegavam e escusavam de aparecer mais.
O laboratório onde o maridinho faz serviço de segurança vai fechar ou está em vias disso.
Apesar de entrar às 8.00 e sair às 19.00, a coisa tava a correr bem. Horário de 2ª a 6ª.
Antes estava numa empresa onde faziam horário rotativo de 8 horas seguidas, o que nos primeiros meses após o nascimento do Pedro foi muito complicado e esgotante porque tinha de o ir buscar com o menino à meia-noite, uma vez que transportes a essa hora para onde moramos é mentira.
Agora, a proposta do chefe do maridinho como local de trabalho, caso o laboratório feche mesmo, é com este tipo de horário rotativo.
Voltamos ao problema dos transportes, voltamos ao problema de não estarmos em casa às mesmas horas.
Que volta há a dar a isto?
Procurar novo emprego da maneira como isto anda?
Arriscar em algo nosso?
Mas será possível que passamos a vida a ter de solucionar estas tretas?
Começo a estar cansada de tanta volta e reviravolta e de pensar nas coisas.
Porque é que tem de ser assim? Se não fosse, não teria piada, diriam alguns. Ora bolas, quando pensamos ter a vidinha certinha e direitinha, lá vem uma treta qualquer atrapalhar isto tudo.
Poxa! (diria o Pedro...)

Desfralde

Fui comprar um bacio para o filhote.
Agora que parece que o Verão chegou e veio para ficar, vamos tentar ensinar o Pedro a fazer no bacio.
Vou falar na creche para também iniciarem esta nova etapa na vida do filhote, pois parece-me que terá de ser ao mesmo tempo.
Não sei lá muito bem como fazer ou o que dizer ao rabuja para que ele perceba que tem de fazer o xixi e cócó no bacio. Ele já sabe que é na fralda que isto está, mas daí a entender que agora tem de pedir ou dizer que quer fazer, é outro entendimento.
...
E sendo rapaz, será que quando fizer no bacio vai acertar ou vai disparar para tudo quanto é lado?
Aceitam-se sugestões, conselhos, dicas e opiniões de quem já passou pelo mesmo, pois mamã de 1º viagem tá meio à nora...

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Mãe é mãe...

Ao ler um post de um blog que visito (Aquário do André) sobre os Avós, vem à ideia que tenho saudades da minha mãe.
Saudades, não no sentido físico de estarmos separadas kms e kms e só nos podermos ver em tempos de férias. Não. Saudades da mãe que tive. Da mãe que as minhas amigas do tempo de adolescência "invejavam" por ser tão preocupada com elas como era comigo, por ser tão carinhosa com elas como era comigo.
A minha mãe era realmente uma amiga e estava sempre do meu lado. Foi ela que muitas e muitas vezes convenceu o meu pai a deixar-me ir aqui e acolá, sózinha ou acompanhada.
Foi a minha mãe que no fundo e dia a dia esteve sempre comigo pois a profissão do meu pai não o permitia e ao Domingo que era quando o meu pai não trabalhava, dormia até tarde e depois de almoço ou era estar no café ou ir ver um jogo de futebol do Sporting. Não me interpretem mal. Adoro o meu pai e sei que a vida era mesmo assim.
Pensei que com a venda do restaurante o meu pai passasse mais tempo em família, estando ao lado da minha mãe, tentando compensar o tempo passado, ainda para mais porque desde aí que eu já não vivia com eles. Ilusão. Isso não só não aconteceu como ainda se agravou mais indo o meu pai frequentemente ao Alentejo para tomar conta do meu avó no tempo que lhe compete e tratar de coisas relacionadas com a tentativa de construção de um lar para a 3ª idade naquela aldeia perdida no mapa.
Com o nascimento do meu filho Pedro, pensei novamente que a situação se iria alterar positivamente e passarmos mais tempo juntos.
Os "ataques" de "fúria" ou "stress" ou sei lá o quê da minha mãe com o intuito de atingir o meu pai (daí não ter ido ao baptizado do único neto) tornaram-se cada vez mais frequentes e eu é que ouvia.
Sou filha de ambos e apesar de perceber ambas as partes e saber que ambas as partes têm razão e são culpados, não posso nem devo tomar partidos.
O que realmente me dói foi perceber depois da última fúria e que me fez reorganizar a vida toda, é que nunca mais vou ter a minha mãe de volta porque estou tão magoada com as palavras que me disse que passei a olhar para ela de outra forma. Não como a minha mãe, mas como uma mulher que sofreu bastante ao longo da vida, que esteve sempre ou quase sempre acompanhada apenas pela filha, que pouco aproveitou da vida para passear e ver coisas novas e que cada vez mais está sozinha porque também ela forçou essa solidão. Mas eu e o meu filhote e marido, não temos a culpa. Nenhuma.
Filho é filho. Mãe é mãe. Mas será isso condição absoluta para perdoarmos tudo, esquecermos tudo quanto ouvimos?
Penso que não.
E custa estar longe dela.
Mesmo quando me telefona, é com outro estado de espírito que falo e conto da evolução do Pedro. Sei que tem saudades do neto. Minhas e do Zé não sei.
Seja como for, agradeço-lhe ter falado aquelas coisas pois levou-me a melhorar a nossa situação pois se tenho mais trabalho com a roupa e as refeições, também chego mais cedo a casa e tenho conseguido fazê-las. O Pedro está noutra creche que considero bem melhor do que a outra e sinto que gosta de lá estar.
Mas tenho saudades da minha mãe e gostava de a ter de volta...

Alimentação

O rabuja anda comilão.
Qual o interesse em escrever isto?
É que há uma semana que ando a acordar entre as 4.00h e as 4.30h da madrugada para lhe dar um biberon de leite porque o rapaz acorda com fome. E bebe 250ml. E eu acordo diariamente às 6.00h da manhã (ou madrugada para alguns)
E tem jantado bem, como eu gosto: sopa, 2º prato e fruta.
E petisca do jantar dos papás....
Tou positivamente a ficar um zombie de tanto sono...

E o último fim-de-semana prolongado

Correu bem. Com calor. Com roupa de Verão. Com o Pedro cada vez melhor (acho que a maior parte dos virus ficaram mesmo em Coimbra!). Com o apetite do rabuja a aumentar imenso.
Sexta-feira conseguimos por a casa em ordem. Tava imunda. Detesto vê-la assim. Mais a mais, o Pedro adora andar no chão e quando ameaça fazer birra, deita-se no chão...devagarinho...para não fazer dói-dói, pois claro!
Limpeza, roupas em ordem, compras. Tudo como deve ser.
E eu convencida que era sábado...Liguei para a madrinha Ana para combinarmos as coisas para o dia seguinte e esqueci-me que o feriado era mesmo só aqui.
Sábado foi dia de passeio. à outra banda. Para casa dos tios Zé e Micas. Para estarmos com a madrinha do Rabuja. Almoçámos bem e o Pedro portou-se lindamente deixando os tios encantados com o que ele já faz e diz. Ganhou umas roupinhas lindas e eu um livro que a comadre me ofereceu. Obrigado, querida!
Andou de triciclo, brincou com os carrinhos (e trouxe mais dois) e varreu o quintal e falou com os piu-piu's que lá vivem!
Depois de almoço fomos tomar um cafézinho e ao parque. Correu, jogou à bola, "fugia" de nós sempre muito bem disposto.
É por estas e por outras que adorava viver num local que não fosse só prédios e carros.
Gostava de ter um pequeno quintal onde o Pedro brincasse sem perigos, onde apanhasse ar, onde ao fim das tardes de Verão se sentisse a frescura do anoitecer. Quero que o filhote tenha o que nunca tive.
Á hora do lanche, o rapaz estava esfomeado e além da papa, comeu também uma fatia de bolo feito pela tia Micas e que estava óptimo.
Lá fomos ver a 1ª parte do jogo e ao colinho da mamã, o filhote adormeceu passados uns minutos.
Tivemos de vir embora para chegarmos cedo a casa, mas ficou já combinado mais um dia destes em Julho para as festas populares!!
Adoro, adoro estar com a família!!!

O fim-de-semana prolongado

Foi...F-A-N-T-Á-S-T-I-C-O!!!
Uns dias em casa dos meus sogros fazem maravilhas, mais do que um SPA. Acreditem!
A zona centro é muito linda e estar em casa dos avós paternos do Rabuja é uma liberdade e um ar puro que não se encontra nem se tem aqui.
Como previsto por moi, saímos a meio da manhã de sábado, no preciso momento em que faltou a água na nossa zona.Começa o meu stress de ver que o Pedro vai acordado, e continua acordado.Normalmente, se dorme é um alívio para mim porque deixo de ir toda torta para o entreter.
Mas portou-se bem, vindo a adormecer a 10 minutos de chegarmos. Pontaria, a do rapaz!
A chegada à hora do almoço tem as suas vantagens. É irmos almoçar os petiscos da minha sogrinha.
E os dias foram de descanso. De manhã o rapaz acorda cedo mas com a minha sogra é fácil de o manter animado, dar-lhe o pequeno almoço enquanto o papá dorme mais um bocadito e entretê-lo no quintal.
Os almoços ou jantares com grelhados no carvão têm sempre outro gosto e lá se vai a tentativa-de-emagrecer-para-caber-na-roupa-de-verão...
E depois de barriguinhas cheias, é descansar, brincar com o filhote, é vê-lo todo animado com as coisas do quintal, as plantas e os bichos. Claro que houve uma planta com umas lindas flores amarelas que até eu tinha dito à minha sogra que gostaria de levar umas foram literalmente varridas à pazada pelo Pedro!
Andou a jogar à bola com toda a gente e adorou!
Aproveitando o tempo estar quente, tirei a fralda ao filhote e deixei-o andar a apanhar ar! Foi engraçado vê-lo assim e no fim, mais uma brincadeira para ele: tomou banho ao ar livre! Estou desejando que venham as férias para por a piscina com água.
Depois das refeições é ida pra tomar um cafezinho na esplanada que o tempo até colaborou!
à noite, depois de jantarmos, lá íamos dar uma volta que faz bem, tonifica os músculos e ajuda à digestão. Claro que o filhote andou mais de colo em colo que a andar por ele mesmo, mas ainda assim souberam bem estes passeios à noite, excepto na parte em que um pirilampo apanha boleia em mim e me faz andar aos gritinhos para mo tirarem (detesto insectos...mesmo!)
Só houve duas situações com o rabuja: a primeia noite foi para esquecer. Acordou às 4.00h para beber um leitinho e depois só queria colo. Não pode ser...não lhe fizemos a vontade. Senão sente que ganha e depois é que são elas. Resultado é que vimos o sol nescer. Só lá para as 6.30h é que o rapaz adormeceu e nós, cansados, fizemos o mesmo.
A segunda, foi que me passei com ele na 2ª feira ao almoço. Depois de ter andado desde sábado a comer mais o que lhe apetecia e os doces e mimos da avó, fez uma birra para comer a sopa. Não tive outra solução que foi agarrar nele e sózinha, com uma palmada à mistura, dar-lhe a sopa e o resto da refeição e ainda comeu fruta. Ah pois é! Ando eu toda a semana a ensinar-lhe e a habituá-lo às refeições certas e correctas e depois com um fim-de-semana destes ía tudo por água abaixo! Claro que a partir daqui, tudo correu às mil maravilhas. Noites e refeições.
O regresso na 3ª feira com chega a casa à hora do almoço correu bem e com a tristeza de que agora só em Agosto...snif, snif!!

Falta de tempo

Não é desculpa para não visitar as amiguinhas.
Não é desculpa para não deixar uns miminhos e rabujices.
Não é desculpa para não contar as novidades lá de casa.

Mas é a verdade.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Começa o Euro 2008

E pra animar o fim-de-semana que se avizinha, não só o Rabuja faz 20 meses como a selecção nacional tem o seu 1º jogo. Que tal, hein?
Vai ser só festa!
Vamos a ver se é desta que trazemos a taça.









Força para a Aninha e Tiago

Uma situação comovente...
A quem nos visitar, apoiem esta família com um carinho.Bem precisam...

Fim-de-semana Prolongado

Ah, pois e´!
Vamos de fim-de-semana prolongado!!
Para Coimbra. Estar com os avós e tia do Pedro.
Vamos no sábado de manhã (isto é sempre conversa, porque arrumar isto e mais aquilo e andar atrás do Rabuja, torna a saída programada cedo, lá pró meio da manhã).
Serão 4 dias mais descansados e de ar puro e longe do trabalho e do barulho.
Espero que os ares de Coimbra ajudem o meu filhote a melhorar. Vou tentar deixar lá as viroses (os meus sogros e cunhada que me desculpem!)
Depois conto como foi!

Recados


Não consigo deixar de rir quando...

- Aqui!! (e aponta para a mãozinha dele)
- É? (quando faço uma pergunta)
- Queres papa?
- Não!
(e normalmente, um segundo depois, diz: - Papaaaa!!
- Baixo!!
(atirou tudo o que conseguiu para debaixo do sofá, mesa da cozinha...) É um pedido para irmos tirar de lá as caisas para ele voltar a pôr...
(ao colinho da mamã)
- Queres fazer soninho?
- Não!
- Queres leitinho?
- Não!
- Queres colinho do papá?
- Não!
- Queres colinho da mamã?
- Não!
- Queres a "ucha"?
- ...
- Queres o Tété?
- ...
(depois encosta-se a mim, agarrado ao peluche, chucha e fecha os olhinhos...)
- Na mão! (da dele, claro!)
- Não pode ser, Pedro!
(tudo em que mexemos, quer...)

Sabe tão bem!

- Mamããã!
- Filhoooo!
- Mamããã!
- Filhoooo!
- Mamããã!
- Filhoooo!
- Mamã!
- Filho!
E ficamos nisto quase um minuto. (Fico com um sorriso de orelha a orelha!)

Miminhos


Blog da Mamã Peixinha

Oferecido pela Mamã Peixinha, quero agradecer-lhe este miminho.
Obrigada!!!

Actualidades

O Pedro continua com bastante tosse do pingo no narizito. Soro e mais soro, Actifed, assoadelas. Tou seriamente a pensar em tornar-me sócia ou fazê-lo sócio de alguma empresa que fabrique lenços de papel e soro fisiológico. Talvez compense...
Ontem liguei à pediatra e estou a fazer tudo bem e mais nada há a fazer. Que porra! Já não aguento ver o meu príncipe sempre constipadito e as noites mal dormidas.
Deixei de lhe dar o leitinho da noite com medo que ao ter um ataque de tosse deite tudo fora.
Apesar de tudo, continua com bastante apetite e vai sopa, 2º prato, fruta e bolachas. Nada mal, certo?
A última durou 3 semanas...Aceitam-se apostas para esta...

Dia da Criança

O fim-de-semana começou com a suspeita de mais uma constipação no filhote. Confirmou-se. Já perdi a conta às que vieram. Nem quero saber quantas ainda faltam vir. Culpa do mau tempo e da creche.
Ainda assim, o Pedro esteve sempre bem disposto e a comer bem. Come praticamente tudo da nossa comida. E gosta. E quer. Ainda bem porque não tenho tempo para andar a fazer refeições diferentes.
O sábado é o usual.

No Domingo, Dia da Criança, foi para estar em família e apesar do tempo incerto, fomos passear para o Parque das Nações. O Pedro que adora água, delirava com o rio e os lagos feitos do Parque. Fartou-se de andar e fomos até ao local onde há uns equipamentos para as crianças escutarem música. Não sei se estão a ver...
Continuámos até ao Oceanário e como a fome já começava a apertar, resolvemos voltar de teleférico. Foi a 1ª vez do Pedro e achei piada a ele dizer adeus às carruagens!
No entanto, não encontrámos nenhuma diversão, tipo aqueles insufláveis, montados no Parque para as crianças brincarem. Será que chegámos ao ponto de ser um dia totalmente consumista? "Festejar" o Dia da Criança implica necessariamente e somente dar-lhes prendas? E passeios em família? Mais tempo de brincadeiras entre pais e filhos? Os valores e sentimentos estão a ser substituídos por outros que nos tronam mais frios e distantes uns dos outros. Estarei errada?
Ao fim da tarde voltámos a sair para mais um passeio em família e comprar um docinho (é tudo guloso nesta família) para o jantar.
A todos os meninos e meninas deste mundo, espero que tenham tido um dia especial rodeados de amor e carinho e muita alegria. Um voto de esperança de um mundo melhor para todas estas crianças que são o futuro.