sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

É a minha cria...

O filhote vai novamente passar o fim-de-semana a casa dos avós.
Por mais que sinta cá dentro uma sensação estranha de "será que ele entende que não o estamos a despachar?", faz-lhe bem e a todos nós também.
A ligação afectiva que o miúdo tem com os avós é na mesma intensidade dos avós para com ele. E eu sei que lá está bem, que come e anda bem-disposto, que é protegido e muito acarinhado.
Eu preciso de recuperar alguma força e bem-estar físico e psicológico porque com tanta coisa, qualquer dia funde-se-me um fusível.
E como casal, eu e o maridinho precisamos de umas horas! A semana é completamente desgastante e mal temos tempo de estarmos simplesmente os dois.
O trabalho, a casa, e o filhote absorvem todas as horas e minutos do dia de cada semana.
Apesar de tudo, não ter o filhote em casa é sempre um vazio que se instala...

Muro das lamentações

...é o que pareço com tanta queixa de que tenho isto e doi-me aquilo!
A verdade é que agora tenho também um dente do siso (e já com esta idade!!) a dar o ar da sua graça!
Eu vou mas é à bruxa!

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Candidato

A próxima segunda-feira vai a família toda (pai, mãe e filho) a uma entrevista de avaliação para possível ingresso do Pedro num colégio. Iniciam-se no Jardim de Infância e prosseguem até à 4ª classe.
A mim, daria montes e montes de jeito porque ficaria a menos de 1 minuto do local onde trabalho, evitando-me o stress diário de andar sempre a correr para o levar e buscar da escolinha, mais o duplo stress de encontrar um lugar para estacionar.
Sendo a mensalidade de acordo com o rendimento familiar, acredito que pagaria menos do que estamos agora.
Agora, não faço a mais pequena ideia do que consistirá a entrevista, a não ser que estaremos a ser avaliados, medidos e pesados com reflexo na decisão de aceitarem o meu filho neste colégio.
Eu própria também andei 9 anos num colégio e gostei. Sempre me senti bem e o ensino é bem melhor que no público. Isto no meu tempo e já lá vão alguns e bons anos, pois as matérias e disciplinas eram mais e o leque de oportunidades variadas. Como tudo, há o bom e o mau em todo o lado.
Pensamento positivo...pensamento positivo...

Já chega, não?

Depois de ter passado por inúmeras constipações ao longo deste Inverno que já me causaram consequências muito chatas e estreantes como a conjuntivite e o ter ficado sem voz, agora estou novamente doente, mas com uma variante deveras interessante: redução do paladar a valores mínimos e ausência de olfacto.
Alguém deve mesmo, mesmo estar muito chateado ou chateada comigo e rogou-me uma praga! Ou várias!

Esta semana tem sido...

completamente esgotante!
O carro da família entrou na oficina para reparação esta terça-feira e estou até hoje sem rodinhas.
Não haveria qualquer problema se não fosse o pormenor de não haver autocarro directo até ao trabalho. Daí ter de fazer duas vezes ao dia o percurso Areeiro - Olaias e Olaias - Areeiro a pé. E isto depois de já ter deixado o filhote na creche de manhã (a pé) e de ir aos Bancos a serviço da firma (a pé) e à hora do almoço ir aos CTT também em serviço da firma (a pé) e ao fim da tarde ir para casa (a pé).
Posso sempre ver o lado positivo da coisa que é o exercício físico que tenho feito estes dias, mas com chuva, a única coisa que me ocorre é mesmo "raios partam a sorte!" (ou a falta dela).
Estou que nem posso!!

A crescer demasiado depressa!

O filhote está cada dia que passa mais lindo.

Cresce a olhos vistos de uma forma que me surpreende pela rapidez de aquisição de conhecimentos e técnicas. Como é possível não me aperceber desta evolução? Há situações em que manifesta toda a aprendizagem e penso: "Mas o meu filho já faz isto? Já sabe aquilo?" É impressionante!

Tem uma memória excelente. O que lhe dizemos de manhã, lembra-se no dia seguinte sem errar. Usa a lógica. Entende a causa-efeito das coisas. No que lhe diz respeito e do exterior.Continua mamã-dependente, não para lhe fazer as coisas, mas creio por necessidade especial de mimos, carinhos ou segurança. Porque sente mais saudades ou porque o contrariaram. E aqui, já vem ter comigo a fazer queixas do papá ou do avô.

Este miúdo está uma delícia!

Deixei de stressar com a alimentação. E assim está bem. Come praticamente de tudo e bem. Ao fim-de-semana somos mais flexíveis. Por falta de actividade, come menos e dorme mais. Mas nada de preocupações. Tudo a correr pelo melhor.O dormir, bem, melhorias ainda ténues mas consistentes. Alterámos os procedimentos e tem dado resultados positivos. Desligam-se as luzes da casa, todas, excepto no quarto dos papás, onde se prepara o filhote, bebe o leite e depois, é noite, e noite é para fazer ó-ó, como ele diz.
Está bem na creche. Participa das actividades, é meigo, sociável e brincalhão. Não ajuda na arrumação da sala, finge que não é nada com ele quando o chamam à atenção e é extremamente teimoso. Este é o relatório da 1ª avaliação lectiva.
E assim, está tudo bem com o meu filhote.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Já não há pachorra!

Estou fartinha, mas mesmo, mesmo fartinha, do frio, chuva, nevoeiro deste inverno e dos que vierem nos próximos cem anos!
Ainda falta muito para o sol e calor do verão?
É que se for preciso, faço um requerimento, com assinatura reconhecida e tudo!
Fonix!

O que nos reserva o ano de 2009?

Lembro-me de estar à janela da sala e olhar para a rua e pensar, no dia 1 de Janeiro de 2009, o que nos reservaria este ano.
Temos algumas situações que, com alguma habilidade, se podem concretizar, até porque somos nós que temos de as fazer acontecer, lutando por elas e levando os outros intervenientes a "ajudarem-nos".
  • Mudar para uma casa maior,
  • Aumentar o meu vencimento,
  • Pôr o Pedro numa escola onde pague menos,

são as prioridades para este ano.

Tudo o mais que de positivo acontecer serão bonificações, extras.

Cantigas da minha infância

Adora as cantigas infantis.
Desde que nasceu que lhe canto aquelas que me lembrava de quando era criança, a do pião, a do balão do João, a do atirei o pau ao gato, a dos patinhos.
Ainda bebé, acalmava e adormecia aconchegado nos meus braços com a cantiga do pião. Talvez o filhote se recorde ou seja mesmo verdade que a música tem um efeito calmante nas crianças.
Assim, uma das prendas de Natal foi um dvd com as 35 melhores canções infantis. Tem imensas músicas, bonecos, e as letras para eu também aprender.
Uma noite destas, estava eu a mudar-lhe a fralda e vestir-lhe o pijama, quando o Pedro começou a cantar o balão do João.
Parei e pus-me a ouvi-lo. Pasmei! O miúdo sabe a música toda e ainda faz a coreografia! No fim, ele sorriu e eu peguei nele e abracei-o...
Talvez seja algo normal, próprio de quem tem 27 meses. A verdade é que cada evolução do meu Pedro me deixa maravilhada e cada vez mais sinto-o a crescer.
O relatar aqui estas evoluções, e acontecimentos não serve para (eventualmente) mostrar se é esperto ou inteligente. Serve sim para eu própria nunca esquecer o que senti com o crescimento do meu filho e talvez mais tarde ele conhecer como evoluiu e como foi cada conquista que a meu ver tem o seu próprio tempo de acontecer.

Acidente

Indo eu, indo eu a caminho do trabalho, depois de deixar o filho na creche, para sair da vila há que parar nos semáforos antes da rotunda.
Estamos a 29 de Dezembro, uma segunda-feira de muita chuva, daquela miudinha, que incomoda e torna as estradas em ringues de patinagem.
Ora bem, sinal verde, arranco, faixa da direita para contornar a rotunda e sair na 2ª à direita, quando vejo um carro cinzento do meu lado esquerdo, a querer entar na faixa onde estou. Calma!, penso eu, porque tenho prioridade, estou na faixa correcta e por isso esperas que eu passe!
Pois sim! Atravessou-se à minha frente e travei a fundo. Claro, chuva miudinha, dia cinzento e senti o meu carro a deslizar, devagarinho e pum! Lá ficaram os dois!
Quatro piscas, colete reflector vestido, triângulo a sinalizar o acidente.

Oiço gritos! Sai de dentro da outra viatura uma personagem de outra raça a gritar: "Sua parva! Sua ordinária! Já viste o que fizeste? Tu é que és a culpada! Vais pagar tudo! Olha só o que esta cabra fez...!"

Deduzi que estivesse a referir-se à minha pessoa e dadas as circunstâncias de me encontrar sozinha nesta situação, e antes que viesse uma multidão de gente familiar ou amiga desta personagem mais escurinha, afirmei que iria chamar a polícia e liguei de imediato para o 112 a relatar e pedir a PSP.
De seguida, porque ainda sou a menina do papá, liguei para o meu pai a contar a situação, que por sua vez ligou para o nosso corretor de seguros, que por sua vez ligou para um dos seus funcionários, que por sua vez veio de imediato ter comigo.
Curioso como a chegada do amigo do meu pai abrandou a gritaria e a chegada da polícia silenciou por completo a outra interveniente deste acidente.
O posicionamento de ambos os carros e o relato da outra senhora levou ao seguinte comentário do agente, quando comecei a falar: "Não vale a pena a senhora (eu) dizer mais nada porque eu já percebi tudo!"
Como não se preencheu a declaração amigável, fez-se um auto de ocorrência de acidente que acompanhará este processo junto dos respectivos seguros.
Entretanto deixei de ouvir a outra senhora que deve ter chegado à conclusão que afinal a culpada era ela e o melhor a fazer era estar calada. Coisa que devia ter logo feito quando se deu o acidente.

Após a policia ter ido embora, chegou o meu pai e aí, penso que a outra deve ter pensado: "Esta branca-parva-ordinária-cabra tem as costas quentes..."

E não é que acertou?

Do Natal ao Ano Novo

O Natal e a passagem de ano Novo foram em casa dos meus pais, no sossego e segurança, com o filhote a passar quase duas semanas de férias dos pais.
As saudades e o silêncio da casa fizeram-me demasiada confusão mas por outro lado, permitiram-me e ao maridinho alguns momentos de mais sossego.
E como o Rabuja adora estar com os avós, sei que ficou bem...
O meu filho faz-me falta...

Pedi uma prenda e não veio!

Da época festiva até agora tou atolada em papeis na empresa, ainda a tentar o fecho de um ano e a abertura deste e por isso sem qualquer milésimo de segundo para fazer outra coisa que não seja resolver problemas e situações das 9.00 às 18.15.
Porque sendo eu a única não-engenheira aqui do estaminé empresarial, tenho de dar conta do que é serviço de minha responsabilidade, ser informática, assistente pessoal do boss e outras coisas mais.
Disse ao boss que iria pedir um/uma ajudante, mas até à data ninguém apareceu e das duas uma ou o Pai Natal esqueceu-se ou o boss fez ouvidos de mercador.
Resultado: ando com a cabecinha feita em água!