segunda-feira, 20 de julho de 2009

Do fim-de-semana

Fiquei de todas as cores com predominância pelo vermelho. No Domingo de manhã, depois de adiantar as coisas, e do filho ter brincado com carros, visto bonecos e pintado, peguei nele e fomos dar uma voltinha a pé. Antes, parámos no café de bairro e estava lá, para além da dona do mesmo, uma senhora que também mora na mesma rua que nós. A nossa família não é dada a conversas com os vizinhos, mas desde o nascimento do miúdo é inevitável alguma conversa de circunstância.
Pois bem, depois de tomar o café e ter comprado uma bola ao Pedro, daquelas em que se põe a moeda na máquina, a tal vizinha meteu conversa com o filho perguntando-lhe como se chamava. Ele respondeu e depois perguntou-lhe que idade tinha. Ora bem, o Pedro sabe quantos anos tem, mas deve ter confundido os deditos e em vez de esticar dois para dizer que tinha dois aninhos, fez um “toma” à senhora. Fiquei às cores…agarrei no miúdo e bora lá, Pedro, que se faz tarde!

Lá em casa apreciamos a comida. E o miúdo vai pelo mesmo caminho. A relevância desta história é que o maridinho está um excelente cozinheiro, com capacidade inventiva e faz uns pratos deliciosos que o filho come tudo até ao fim. Estou muito orgulhosa do marido e acredito que se tivéssemos um estabelecimento de restauração, batia aos pontos a muitos que apregoam ser de cinco estrelas.

Ontem ao fim da tarde enquanto eu fazia a depilação para experimentar uma maquineta nova, o marido tomou um duche. Lembrei-me que seria giro o miúdo tomar banho com o papá e assim fizemos. Engraçado mesmo foi a comparação do Pedro em relação ao que distingue os meninos das meninas, mas comparando-se a ele e ao pai! O miúdo está esperto!

Depois do jantar de Domingo e porque a temperatura da noite assim o convidava, fomos até ao largo com o Pedro. Levámos a bicicleta dele e foi vê-lo todo contente a andar de um lado para o outro. Às tantas, vira-se para o papá e diz-lhe para ir buscar também a “chicleta gande!”. O maridinho que até esteve a limpá-la no sábado, foi buscá-la e depois era vê-los a pedalar, a fazerem corridas e cá para mim o bichinho da bicicleta já entrou no maridinho.
Eu aprendi a andar apesar de nunca ter tido nenhuma porque não havia espaço para guardá-la nem os meus pais me levavam a algum lado onde eu pudesse andar. Mas agora e com os meus “Manéis” a gostarem tanto de andar, vamos a ver se conseguimos uma para mim, baratinha, não muito grande porque do alto do meu metro e meio tem de ser de um tamanho que eu consiga chegar ao chão em caso de emergência. Ah! E tenho preferência por uma de cor branca e com cestinho à frente, pode ser?

2 comentários:

Noc@s disse...

A cena do dedo, uíii lol imagino eheheh
De resto um fds bem à maneira ;-)
Jocas grandes ;-)

Mil Sorrisos disse...

São daquelas situações que nos ultrapassam completamente e acabam por ficar para a história.
Beijos e Mil Sorrisos
:o)))