terça-feira, 30 de setembro de 2008

Começou...

É oficial. Iniciou-se a época da febre alta, da tosse e tudo o que vem por acréscimo.
Começou ontem com pouca vontade de jantar, com temperatura a passar o normal e às 4.00h da madrugada a choramingar por água. Estavas tão quente que despertei de imediato. Quase 40º. Despir, benuron, água morna pelo corpo, água no biberon. Ficámos os dois no sofá, eu a vigiar-te e com o coração aos pulos. Adormeceste passado pouco tempo e ficámos ali. Nem tive coragem de te levar para a tua cama com receio de...
Às 7.00 combinei com os teus avós ficares com eles e "voei" atravessando a cidade para chegar no menor tempo possível porque já estavas com 39,1º e ainda não tinham passado as 4 horas para te dar o Brufen. Estás bem disposto e com pouca tosse mas os sinais estão aí. Constipação que rezo não passar disso.
E não sei o que faça. Se fiques esta noite com os avós ou se te vou buscar para amanhã te pôr lá novamente, filho.
São as noites que mais me afligem porque adormecemos e podemos não dar conta de alguma coisa...
Tens de ser forte, filhote! Sim?

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Não serão demais?

Que o príncipe tenha uma namorada, ainda vá.
Agora duas?!
Contado hoje pelas auxiliares quando o fui levar à creche. Com direito a fotografia e tudo!
Aula de música experiencial. Tudo calminho. Segue-se uma dança aos pares onde parece que ficaste com outra coleguinha, a Carlota. Que pelos vistos gosta de ti pois esticou-se para te dar um beijinho...
Outra namoradinha?
Não é a Ema?
Já não sei o que pensar...mas, filhote, vamos com calma, sim?

Praia em casa

Por voltas das 22.00h tomas o banhinho.
A mamã despe-te enquanto o papá prepara o banho de espuma, sim porque tem de ter mesmo espuma.
E já estás a rabujar por qualquer coisa enquanto tento tirar-te a roupa.
Lá vamos para a casa-de-banho, mas antes do papá pegar em ti, começa assim:
Pai - O que é isto?
Pedro - Ponja!
Pai - O que é isto?
Pedro - Balde!
Pai - O que é isto?
Pedro - Outa Ponja!
Pai - O que é isto?
Pedro - Pato!
Pai - O que é isto?
Pedro - Eador! (regador pequeno)
Pai - O que é isto?
Pedro - Pá!
Pai - O que é isto?
Pedro - Bato! (barco)
Pai - O que é isto?
Pedro - Puma! (espuma)
E lá vai todo risonho para a banheira.
São momentos de brincadeira entre os dois, pai e filho, apenas eles, cumplicidade, gargalhadas, ralhanços, tudo à mistura.
E no final, quando entro para o embrulhar nas toalhas e levá-lo para o quarto, temos a praia dentro de casa onde tu, filhote, te deitas de barriga para baixo, na banheira, com a cabeça de fora e dizes todo contente: - Paia!!!
Todas as noites temos mais do mesmo e acabamos sempre a rir, e contigo a rabujar por o banhinho ter terminado.
Amanhã há mais, filhote!

Estás assim

Com tanto trabalho os dias têm passado e nem consigo contar-te mais algumas "proezas" que fazes e agora que te aproximas dos 2 aninhos, são cada vez mais as rabugices novas.
Temos a consulta dos 24 meses marcada para dia 10 de Outubro. Confesso que estou um pouco ansiosa em saber como vai o pediatra achar que estás.
Para mim e para o teu papás, estás óptimo!
Falas imenso com palavras novas, frases completas e perceptíveis e lógicas.
Comes bem melhor e andas com muito apetite, para além de comeres sozinho muito bem (desde que estejas bem disposto, claro!)
Sobes e desces para cima de tudo o que encontras, e mexes em tudo o que encontras.
És sociável, e gostas da escolinha e dos colegas e educadoras.
Tens excelente memória, menos para os avisos dos papás, claro...
As noites, essas é que continuam na mesma. Uma vez por outra, lá dormes a noite inteira, mas são poucas e muito espaçadas. Ou hás-de ter fome e queres leite ou choramingas e chamas por mim, para te dar a chucha ou o ursinho. Passados uns dias ou melhor, noites, nisto, ando bem mais cansada e com menos paciência para tudo.
Gostas mais de jogar à bola ou com o balão do que brincar com os brinquedos que tens. A solução, algumas vezes em que preciso de fazer alguma coisa, é mesmo deixar-te desarrumar tudo para te entreteres um pouco.
Estás um lindo!!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A crescer

Cresce a uma velocidade estonteante, quase à velocidade da luz.
Com o início do Verão, do tempo quente que deixa bracitos e pernitas à mostra, toma forma um corpinho de rapaz e aos poucos perde o jeito de bebé.
Um rosto de menino muito traquinas onde o olhar se fixa no objecto que tem nas mãos. Pesquisa, dá voltas e escuto o seu pensar. Adverso à obediência talvez por falta de percepção do perigo, brinca com as regras e imposições. Faz o oposto. Desafia-nos sabendo perfeitamente que não deve mexer ou fazer, porque aquele olhar de sorriso maroto está lá e dirigido a nós. Sorrio por dentro mas com uma enorme vontade de o exteriorizar.
Cresce diariamente e quando páro uns segundos a olhar para ele, sinto um arrepio na pele. Há quase dois anos vivia com ansiedade a chegada da hora sem saber ao certo quando seria e todos os medos e receios dessa hora.
Escutam-se cada vez mais palavras e mais frequentemente na casa e enche-me o coração aquela vozinha doce, de bebé-menino. Palavras perceptíveis e ao contrário, palavras cheias de música, palavras inesperadas que se juntam umas às outras e surgem frases que permitem já pequenos diálogos entre nós.
Desespera com o insucesso de alguma actividade. Chora desalmadamente por algo que não tem e sabe que não vai ter. Um choro que se me magoa ao escutar, é também necessário para aprender a não utiliza-lo em vão. Rotinas de choro ao fim do dia desculpadas pelo cansaço e sono. Por agora porque mais tarde serão as palavras transformadas em diálogos os esclarecedores de atitudes e consequências.
Colo. Muito. Quase sempre ao fim do dia quando sente as saudades do demasiado tempo em que estivemos separados. Reclama atenção, mimos, brincadeiras a dois. E eu tento multiplicar-me e satisfazer estas necessidades tão instintivas da cria que é minha ao mesmo tempo que as exigências caseiras me olham e aguardam.
E ecoa no meu cérebro as palavras cheias de uma ternura infinita que diz quando me vê no momento em que o vou buscar: "Minha mãe!"

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

11 de Setembro de 2001



Ficam as imagens em todos nós, em todo o mundo.
Sente quem lá esteve e viu e sofreu o impacto, pessoalmente e pela perda de familiares e amigos e colegas.
Mais ninguém o sentirá...
Ninguém esquecerá.

Não há palavras...


Ao meu filho Pedro, a ti e por ti, espero que nunca mais se repita.

Parabéns, Pai

Apesar de já ter sido ontem, Feliz Aniversário, Pai!

Se calhar, compensa...

A carrinha apresenta avarias que na próxima revisão o valor será digno de um prémio de lotaria.
Procura-se casa T2 e melhor seria T3 cujos preços rondam um prémio do Euromilhões.
O prédio está com um problema de entupimento no saneamento e parece ser da responsabilidade do condomínio, o que vai sair caro.
Vem aí a estação fria e precisa-se de refazer a vestimenta do Rabuja.
Ganha-se menos que o Subsídio de Reinserção Social.
Assalto um Banco, uma Gasolineira ou dedico-me ao Carjacking?

Ema

Loira.
Olhos claros.
Elegante.
Sorriso aberto.
Linda.
Assim é a Ema.
A primeira namoradinha oficial do meu filho Pedro.
E vão ter um com o outro quando levo o filhote à creche.
E dão beijinhos.
E o Pedro quando tem um dói-dói diz que foi a Ema.
E na creche é oficial.
(Ainda não me vejo no papel de sogra ...)

Regresso ao escritório.

Correspondência fechada. Guias de Remessa. Facturas. Extractos bancários. Pagamentos. Contas. Faxes e Cartas. Gestores de Contas bancárias. Fornecedores. Colega. Patrão.
Ainda não consegui por o trabalho acumulado em dia.
Para quando as próximas férias?

Regresso à Creche

O regresso à creche correu excelentemente e maravilhosamente bem. As auxiliares dizem e estão certas que o Pedro cresceu, está muito falador, muito desenvolvido, come muito bem e sozinho (pudera!...só eu sei...!) e agora vem o maior dos elogios, vindo da educadora e posteriormente confirmado pelas auxiliares: "O Pedro está muito saido da casca!". Ah, pois é! Teimoso?? Não!! Está lá agora! A difamarem o meu filhote??
O príncipe Rabuja parece que perdeu o sentido da audição para os lados de Coimbra...Não lhe entra nada, nadinha do que lhe dizemos. Está completamente mais que tudo teimoso! A palavra "Não" sabe-a muito bem e aplica-a com sentido, mas só para o lado dele.
Mais elogios? Para além do "saído da casca!", temos o famoso "Teimoso!", o "sai para o recreio sem ordem" e o "foge para outras salas!" e têm de ir atrás dele. Além disso, "liga e desliga a TV sem autorização!" e etc e tal!
Pois, o Pedro está a crescer e não é por falta de enxota-moscas, conversas, castigos, e sei lá mais o quê da educação que ele está assim.
Explicação? A teimosia faz parte da personalidade da mãe, do pai, da tia, do avô e avó maternos e da avó e avô paternos...

A mãe sou eu!

Chateei-me durante as férias por causa da alimentação do Pedro.
Dormiu mais do que comeu e já sei que se os pais educam, os avós desiducam.
Petiscos fora de horas levaram a dramas aos almoços e jantares.
Aguentei até dar. Depois, passei-me. Com todos. Ninguém escapou. Feitio lixado com f, o meu!!
Cá, foram mais uns dias de guerra até tudo voltar aos eixos.
Mas agora está tudo bem.

A Tia Cláudia

É adolescente. Ou como diria uma amiga minha, é "Aborrescente"
16 anos da mais profunda teimosia e rebeldia que há memória.
Gosto muito dela. Tem uma meiguice escondida, de difícil manifestação com quem merece.
Demora a interligar-se com o sobrinho mas adora-o e o Pedro gosta muito de brincar com ela.
Não interage connosco. Telemóvel e quarto, ou namorado.
Dos dias que lá estivemos, saiu connosco uma noite até ao café porque...o namoro tinha terminado. Por poucas horas, pois em pouco mais de 24 horas já tinham novamente reatado. Ele, o namorado, mais velho, com 19 anos, consegue ainda ser mais infantil que ela.
Age e sente-se filha única. Eu sou-o e não sou assim.
Fala com a mãe como a uma colega e noutros tempos, no meu, já tinha levado uma que a tinha virado ao contrário. E disse-lhe. Porque o mal, é não lhe dizerem nada e deixarem-na fazer o que quer, porque é menina e tem as ideias do gótico. Esquisitas. Mas nada que uns castigos bem aplicados e uma autoridade correcta não a pusessem no lugar.
Veste-se de preto. Pinta-se de preto.
Também eu fui adolescente e vestia-me de preto. Por uns bons anos. (Mas eu talvez tivesse cansada da farda do colégio de 9 anos e da repressão que tinha). Ela, a Cláudia é livre. E receio o uso da liberdade que mais tarde terá, por força da lei e do seu espírito.
Gosto mesmo muito dela. Uma miúda com um sorriso muito doce.
Lamento a falta de convívio com ela. Porque ela não quer.
Mas também não sei o que o futuro me reserva com o Pedro...

Resumo das Curtas Férias

Vou tentar por a escrita em dia.
Estivemos de férias em Coimbra, em casa dos avós do Pedro. Cidade linda, com uma luz que me acalma.
Foram dias essencialmente para descansar até porque a grande surpresa foi o filhote ter dormido as noites todas seguidas, excepto uma em que a tosse foi companheira.
O mais longe que fomos foi até à praia de Mira, à tarde, só para não dizer que não tínhamos ido a banhos.
As manhãs passavam rápidas, com acordares por volta das 10.00h/10.30h e almoços à hora certa. As tardes após as idas ao café era passadas no quintal, a ler um livro (consegui ler 2!), o papá entretido a finalizar o barco e tu a dormires as sestas como um anjo.
Após os jantares lá íamos novamente tomar o café e os passeios para ajudar a digestão e fazer horas do banho e leite antes de dormires. Foram poucos dias que souberam a muito pouco mas que permitiram-me descansar e dormir.
Regressámos a 29 de Agosto a esta cidade que cada vez mais me incomoda...